Curso de SEO

A Bolsa de Cursos, instituição de ensino especializada em cursos voltados para marketing online e soluções em tecnologia para internet, abriu vagas para o curso “SEO – Conceitos & Práticas”.

O curso ensinará os principais conceitos sobre SEO (Search Engine Optimization) e também mostrará na prática como trabalhar os principais fatores de SEO para um resultado eficiente e consistente.

Para mais informações acesse: Curso de SEO.

10 dicas de SEO fundamentais para o bom posicionamento de seu site

10 dicas de SEO fundamentais para o bom posicionamento de seu site

As 10 dicas de SEO que farão a diferença

Acompanhar  e trabalhar todos os fatores  de SEO em seu site ou blog é uma tarefa praticamente impossível. São dezenas de fatores. Só o Google considera mais de 100 na formulação de seus algoritmos e frequentemente inclui ou exclui novos.

Você não precisa trabalhar todos os fatores de SEO. Precisa apenas trabalhar mais do que o seu concorrente. Trabalhando poucos e bons fatores e adotando boas práticas já será suficiente para posicionar bem as páginas de seu site nas SERPs (páginas de resultados).

Abaixo seguem as 10 dicas de SEO fundamentais para um bom posicionamento de seu site nos mecanismos de busca:

1 – Pesquisa das palavras-chave

A primeira coisa a fazer em SEO é o estudo de palavras-chave. Afinal, para quais termos de pesquisa você deseja ter seu site bem posicionado nas páginas de busca?

O segredo está em encontrar palavras-chave com muita demanda e ao mesmo tempo com baixa concorrência. O Google disponibiliza uma ferramenta de palavras-chave onde você pode fazer a análise Demanda x Concorrência dos termos de pesquisa relacionados ao tema de seu site. Segue o link: https://adwords.google.com.br/keywordtool.

demanda concorrencia seo 10 dicas de SEO fundamentais para o bom posicionamento de seu site

Você verá que existem opções de palavras-chave que são razoavelmente procuradas e possuem pouquíssima concorrência. São essas que você deve dar prioridade em seu trabalho de SEO.

É claro que você não deve deixar de lado as palavras com grande tráfego e alta concorrência. Essas você também deve trabalhar. Porém, no início, dê prioridade às palavras com baixa concorrência e que tenham procura razoável, pois trarão resultados mais rápidos e com menor esforço.

2 – A importância do conteúdo de qualidade em SEO

Agora que você já sabe as palavras que vai trabalhar, então comece a desenvolver o conteúdo de seu site ou blog.

Para cada palavra-chave escolhida crie um artigo separado. É importante que cada artigo refira-se a um tema/palavra-chave.

Insira a palavra-chave escolhida ao longo de seu artigo, de forma natural, sem se preocupar muito com a densidade. Nesta fase você não deve se preocupar tanto com a quantidade de vezes que a palavra-chave deve aparecer. Concentre-se mais em preparar um bom artigo que leve informação de qualidade ao leitor.

Conteúdos de qualidade são raros na internet. Portanto, aí está uma grande oportunidade para se diferenciar da concorrência. Conteúdos bem feitos, com no mínimo 600 palavras, fotos, vídeos ou qualquer outro gráfico ou widget que levem ao leitor informações de qualidade, serão a base para todas as outras técnicas de SEO empregadas.

Não copie conteúdo de outros sites. Conteúdo duplicado na internet é passível de punição pelos mecanismos de busca. Crie algo exclusivo e original.

Para dicas de como criar conteúdos de qualidade do jeito que o Google gosta acesse Criando conteúdo de qualidade: dicas e conceitos para permanecer bem ranqueado nos mecanismos de busca

3 – Densidade das palavras chave

Agora que você já criou um excelente artigo, então está na hora de analisar a densidade da palavra-chave escolhida para o mesmo.

Distribua a sua palavra-chave principal ao longo do artigo, dentro de uma densidade ótima (geralmente entre 3% e 5%). Desta forma você sinalizará aos mecanismos de busca que aquele artigo específico refere-se àquela palavra. Porém, cuidado!

Ter uma densidade muito alta (acima de 5%) pode sugerir que você esteja empregando técnicas artificiais em sua estratégia de SEO, ou seja, tentando enganar os mecanismos de busca para conseguir posições melhores. Seu site pode ser punido.

Ao mesmo tempo é importante não usar apenas a palavra-chave exata, mas também tipos de correspondência e sinônimos. Isso faz sentido, pois num texto escrito de forma natural, sem qualquer pretensão de ranqueamento na internet, é difícil uma palavra ser repetida várias vezes na correspondência exata. Utilize singular, plural, sinônimos. Em frases chave, altere as preposições “de” e “para” (Ex.: dicas de seo, dicas para seo).

4 – URL amigável

Os endereços de URL das páginas de seu site devem ser amigáveis, ou seja, conter palavras/frases sugestivas sobre o conteúdo daquela página. Exemplos:

Exemplo de URL não amigável

http://carlosbarros.net/arquivo.asp?id=1&ref=187

O endereço acima não traz nenhuma pista do que você vai encontrar ao clicar no link. Não é, portanto, uma URL amigável.

Exemplo de URL amigável

http://carlosbarros.net/10-dicas-de-seo-fundamentais-para-o-bom-posicionamento-de-seu-site/

Percebam que o endereço acima, por si só, já sugere ao internauta o que espera por ele ao clicar no link. É possível identificar que, clicando no link, você será levado para uma página dentro do meu blog que abordará o tema SEO e lhe apresentará 10 dicas de como otimizar seu site para mecanismos de busca.

Tenha sempre URLs amigáveis nas páginas de seu site. E o mais importante: inclua a palavra-chave que você está trabalhando na URL. No exemplo de URL amigável acima, a palavra SEO é a  principal trabalhada na página e consta na URL.

5 – Meta Tags e título da página

No início do código html de uma página, dentro do cabeçalho (head), existem duas tags de extrema importância. A tag “title” e a tag “description”. Outra tag que antes era muito importante e hoje perdeu peso é a “keywords”. Você também pode considerá-la se quiser, porém não influenciará de forma relevante o posicionamento de seu site.

O início de seu código html ficaria mais ou menos assim:

<html>
<head>
<title>Escrever aqui o título de sua página</title>
<meta name=”description” content=”Descrever resumidamente a sua página”>
<meta name=”keywords” content=”palavra-chave 1, palavra-chave 2, palavra-chave 3”>
</head>

O título da sua página deve conter sua palavra-chave principal. É importante que ele também explique, em poucas palavras, o conteúdo da página. Exemplo de títulos:

1 – 10 Dicas de SEO fundamentais para o bom posicionamento de seu site

2 – 10 Dicas de SEO para otimizar seu site

3 – Carlos Barros -  10 dicas de SEO para otimização de seu site

Percebam que o título contém a palavra chave principal do artigo ( SEO ) e uma breve chamada sobre o conteúdo da página. Você ainda pode adicionar o seu nome ou a marca da sua empresa (para trabalhar o branding), como no exemplo 3, onde adicionei “Carlos Barros” no início.

É importante que o título não seja muito extenso: no máximo 50 caracteres.

A tag description descreve resumidamente o conteúdo da página. Deve ser criativa e explicativa. Sua palavra chave principal deve estar presente na tag description uma ou duas vezes. Não é aconselhável repetir demais a palavra chave na tag description, pois isso pode ser visto como algo artificial pelos mecanismos de busca e passível de punição.

A tag description deve ser mais extensa que o título, porém não é recomendado que ela ultrapasse muito a marca de 165 caracteres.

Exemplo de tag description:

Conheça 10 dicas fundamentais de SEO para otimizar seu site nos mecanismos de busca. Saiba como o emprego de boas práticas de SEO pode trazer tráfego eficiente e consistente para seu site.

6 – Títulos no corpo da página: h1, h2, h3…

Os títulos, que variam do h1 ao h6, sinalizarão aos mecanismo de busca quais conteúdos em seu artigo são mais ou menos importantes. É importante incluir em seu artigo pelo menos três títulos, do h1 ao h3, contendo a palavra-chave principal e/ou variantes.

Percebam que este artigo foi logo iniciado com o título “As 10 dicas em SEO que farão a diferença”. Esse título está envolto com as tags h1 e contém a palavra-chave principal SEO.

O h2 está sendo empregado em cada um dos subtítulos das dicas (da 1 à 10). Nos títulos h2  a palavra chave SEO também aparece, porém não em todos, pois isso seria artificial.

Ao final deste artigo eu concluo com um título h3 (Conclusão sobre as principais dicas de SEO).

7 – A importância do mapa do site (sitemap) em SEO

É fundamental que o seu site tenha um mapa com links para todas as páginas. O ideal é criar um sitemap em XML. Existem sites geradores de sitemaps em XML onde você pode inclusive indicar quais páginas são mais ou menos relevantes, ajudando os mecanismos de busca a compreenderem melhor seu site.

Mesmo que não seja em XML, é importante ter uma página, ainda que em HTML, apontando para todas as páginas internas do site. Desta forma você estará garantindo que todo o seu site será indexado.

Para entender melhor sobre sitemaps acesse: http://www.agenciamestre.com/seo/sitemap-xml-html-utilidades-mitos

8 – Imagens: nome do arquivo e text “Alt”

É importante que o seu artigo tenha imagens. Um artigo de qualidade mescla de forma harmônica texto e imagens, ajudando o leitor a compreender melhor a mensagem.

Você também pode relacionar as imagens de seu artigo à palavra-chave principal. A maneira mais prática é renomeando o arquivo de imagem para que inclua a palavra chave. A imagem abaixo, por exemplo, chama-se “10-dicas-de-seo.gif”.

10 dicas de seo 10 dicas de SEO fundamentais para o bom posicionamento de seu site

Não esqueça de descrever a imagem no “alt” (texto alternativo). Em sua descrição inclua a palavra-chave. No exemplo da imagem abaixo  o “alt” foi preenchido com “10 dicas de SEO para otimizar seu site”.

9 – Popularidade do site na web

De nada adiantará você trabalhar todos os 8 fatores de SEO acima citados se você não se engajar numa tarefa de tornar sua página e site populares na internet.

Buscar popularidade pode ser feito de duas formas:

1 – Social Signals

O “Social Signals”, ou Sinais Sociais, é um fator de SEO que mede a presença de seu site nas mídias sociais. Trata-se de um fator recentemente incluído nos algoritmos do Google e de outros mecanismos de busca com um considerável peso.

Estar presente nas mídias sociais hoje é obrigatório para quem quiser ranquear bem nas buscas. Isso faz total sentido, não? Afinal, se um site constantemente exibe conteúdos de qualidade sobre um determinado tema é natural que seja comentado nas mídias sociais.

Portanto, seja sociável e cadastre seu site nas principais mídias sociais. Divulgue seus artigos no Facebook, Twitter, Google Plus, Pinterest e outras que você julgar necessário.

2 – Link Building

O Google possui um fator chamado Page Rank que analisa a popularidade de um site de acordo com os links que recebe. O Page Rank é uma espécie de nota que o Google confere aos sites. Ela varia de 0 a 10. Quanto mais links externos apontarem para o seu site, maior será o Page Rank de seu site e, consequentemente, melhor o posicionamento dele nas páginas de resultados.

Portanto, é importante que você estabeleça estratégias consistentes de criação de links externos para seu site. São várias as maneiras que você pode fazer isso. Engajar-se nas mídias sociais é uma delas. Divulgando seus artigos e opiniões em mídias sociais você estará expondo seu site para um grande número de amigos que, aos poucos, compartilharão seus artigos e links de forma viral nas redes.

Existem outras maneiras de conseguir links. Porém, antes de sair desesperadamente fazendo link building, é importante conhecer os conceitos básicos desta técnica. Para isso, leia o artigo Link Building: Conceitos básicos.

10 – Relevância do autor (Author Rank)

Recentemente o Google incluiu em seus algoritmos um novo fator, extremamente importante para SEO e que faz total sentido: A relevância do autor (Author Rank).

Este fator avalia se o autor possui autoridade sobre o tema tratado no artigo. Quanto maior a sua autoridade sobre um determinado assunto, maiores as chances de seus artigos sobre aquele assunto serem melhor posicionados no Google.

É necessário, portanto, mostrar ao Google que você possui autoridade sobre o assunto. Como fazer isso?

O primeiro passo é criar um perfil no Google Plus. Você receberá um código que poderá inserir no HTML de suas páginas identificando o artigo como sendo de sua autoria. O WordPress já possui plugins que automatizam a inserção deste código.

Você provavelmente já viu nas páginas de busca do Google a foto do autor logo abaixo do resultado. Aquela página está identificada como sendo de autoria daquela pessoa. Na medida que você escreve novos artigos e os mesmos conseguem bons posicionamentos naquele tema especifico, mais fácil será para os seus novos artigos também indexarem bem.

Conclusão sobre as principais dicas de SEO

Essas são as 10 principais dicas de SEO. Trabalhe-as de forma sensata e natural e a consequência será um bom posicionamento. Evite técnicas artificiais de SEO, as chamadas técnicas Black Hat, que tentam enganar os mecanismos de busca. Por mais que você consiga resultados imediatos, não são estratégias sustentáveis a longo prazo e só penalizarão seu site.

É importante também manter-se atualizado sobre SEO. Novos fatores são incluídos nos algoritmos dos mecanismos de busca com frequência. Como mencionado, você não vai conseguir trabalhar todos eles, porém é bom sempre estar atento.

Até o próximo artigo! (Para saber mais acesse Curso de SEO)

10 sites de perfil que permitem links

Pessoal, segue a lista dos 10 principais sites de perfil que permitem cadastro de links para o seu site. Para entender sobre a importância, dentro da estratégia de Link Building, em ter cadastrado em sites de perfil, leia o artigo http://carlosbarros.net/link-building-sites-de-perfil-que-permitem-links/.

1 – Facebook
2 – Google Plus
3 – Twitter
4 – Pinterest
5 – Tumblr
6 – Blogger
7 – Rebelmouse
8 – Squidoo
9 – Ask
10 – Linkedin

Link Building: Sites de perfil que permitem links

Ter links apontados para o seu site é um dos principais fatores para ranquear bem nos mecanismos de busca. A estratégia de Link Building (construção de links) não é fácil, demanda tempo e, se feita de forma errada ou artificialmente, é passível de punição pelos mecanismos de busca.

São várias as maneiras de conseguir links para seu site. Hoje vou comentar sobre uma delas, bastante prática, fácil e que os mecanismos de busca adoram: Cadastro em sites de perfil.

O que são sites de perfil?

Como o nome diz, são sites onde você cadastra o seu perfil, com foto, descrição, etc. As mídias sociais, por exemplo, são sites onde você cria um perfil. Alguns sites de diretórios também.

Ao criar um perfil em um determinado site geralmente é permitido inserir um link. É assim no Twitter, no Facebook, no Google Plus e na maioria dos sites que exibem o perfil do usuário.

Esse link tem sua relevância, pois vem de uma site idôneo, que possui autoridade. A página do seu perfil talvez não tenha um Page Rank alto, pois você acabou de criá-la, porém o site onde ela está inserida possui bastante autoridade de domínio e essa relevância é canalizada para seu blog ou site.

Efeitos colaterais bons

Além de construir links, a prática de cadastro em sites de perfil traz dois efeitos colaterais muito saudáveis. Ela acaba por trabalhar dois outros fatores de extrema importância no ranqueamento em mecanismos de busca: 1 – Social Signals e 2 – Author Rank.

1 – Social Signals

O Google, em sua última alteração de algoritmos, passou a dar importância aos chamados Social Signals, ou seja, os sinais sociais de um determinado site. Traduzindo: o quanto o seu site está presente nas mídias sociais.

Isso faz sentido, já que se um determinado site é bom, idôneo e com conteúdo de qualidade é óbvio que será compartilhado nas mídias sociais, aumentando sua presença socialmente…emitindo para os mecanismos de busca “sinais sociais”.

Ao criar perfis em diversos sites de mídia social automaticamente você estará garantindo presença na rede. Passe a postar links de seu blog ou site com certa freqüência nas mídias que você se cadastrou. Aos poucos outros usuários compartilharão seus posts e assim você estará emitindo os “sinais sociais”.

2 – Author Rank

Este é o fator “autoridade”. Porém, não mais autoridade do site e sim do autor. Este novo fator criado pelo Google é de extrema importância e mede se o autor de um determinado artigo possui autoridade sobre aquele assunto ou não.

Na medida que você cria perfis em diversos sites e mídias sociais e passa a postar comentários e links sobre determinado assunto (de preferência o assunto para o qual deseja estar bem ranqueado) os mecanismos de busca começam a entender que você possui conhecimento sobre aquele tema e passarão a enxergá-lo, com o tempo, como uma autoridade no assunto. Automaticamente seus artigos ganharão relevância e melhor indexação.

Em quantos sites devo me cadastrar?

Se você simplesmente sair cadastrando feito uma máquina em todos os sites que permitem perfil, sem qualquer planejamento, provavelmente não terá o resultado desejado.

É importante você manter atualizado seu perfil, participar das mídias e diretórios que se cadastrou com certa freqüência. Em questão de semanas você perceberá que seus posts passarão a ser compartilhados, mesmo que poucas vezes, porém com a qualidade e a relevância que os mecanismos de busca gostam.

Simplesmente cadastrar um perfil e adicionar um link, sem qualquer trabalho posterior em sua página nas mídias, não trará a relevância necessária.

O ideal seria cadastrar em pelo menos 10 sites, sendo que estes 10 sites devem englobar as principais mídias sociais (Veja lista dos 10 principais sites que permitem perfil).

Cuidado para não se cadastrar em mais de 20 sites. Você terá dificuldade em mantê-los atualizados com a freqüência mínima necessária.

Estratégia prática, natural e saudável

A prática de cadastro em sites de perfil é o que há de mais natural na internet. Por isso os mecanismos de busca gostam. Você nunca vai ser punido pelo Google por que está presente nas redes sociais. Ao mesmo tempo, ser sociável na rede é também uma das melhores formas para divulgar o seu trabalho, blog ou site.

Então, se você não possui tempo para se engajar nas várias estratégias de Link Building existentes e se precisa escolher uma delas, minha sugestão é escolher os sites de perfil.

Comprar um imóvel em Miami está mais barato que em muitas cidades do Brasil

Comprar um imóvel em Miami está mais barato que em muitas cidades do Brasil

É isso mesmo! Impressionante a inversão dos valores. Não sei dizer ao  certo se são os imóveis brasileiros que estão muito inflados ou as casas em Miami que ainda não recuperaram seu valor.

Minto! Eu sei a resposta.  Na verdade é uma mistura dos dois. Os valores dos imóveis aqui no Brasil estão sim super inflados ainda (já estiveram mais). Já em Miami os imóveis tiveram uma depreciação muito grande por conta da crise do subprime em 2008 e ainda não se recuperaram.

Especificamente comparando com a cidade de São Paulo, a discrepância é maior ainda. Não sei o que acontece com São Paulo que tudo está caro. Basta ir ao supermercado. Os preços das coisas em São Paulo simplesmente não fazem sentido. Enfim…

mandarin oritenal skyline view 1024x575 Comprar um imóvel em Miami está mais barato que em muitas cidades do Brasil

Esse foi um dos principais motivos que me levou a pesquisar melhor esse mercado de Real Estate nos EUA. A procura por imóveis em Miami está tão grande entre os brasileiros que resolvi também, em parceria com uma corretora dos EUA, oferecer oportunidades de investimento em Miami para meus amigos e seguidores.

Já faz 3 anos que lancei o site Meu Imóvel em Miami (www.meuimovelemmiami.com.br) em parceria com a Pordes Residential (imobiliária com mais de 25 anos de experiência na Flórida) e também com a corretora de imóveis Heloisa Arazi, brasileira, naturalizada americana. Muitos brasileiros já realizaram seu sonho de ter uma casa em Miami graças ao nosso trabalho o que, para nós, é bastante gratificante e motivo de orgulho.

Nosso trabalho consiste basicamente em trazer oportunidades aos brasileiros conciliando investimento x lazer.

No que diz respeito a lazer não há novidade. Miami é uma cidade fantástica e completa do ponto de vista turístico. A cidade oferece ótimas praias, clima bom o ano todo, excelentes restaurantes, badalação, vida noturna agitada, diversas opções de passeios e entretenimento, lojas e outlets que vendem produtos de marca com bons preços e também a receptividade do povo.

Do ponto de vista de investimento Miami se destaca das demais regiões dos EUA. Apesar de os imóveis nos EUA estarem depreciados de maneira geral, Miami é uma cidade mais propícia para investimentos, com maior liquidez. Estrangeiros do mundo inteiro fazem negócios em Miami e isso é um fator importante a se considerar.

Para quem tem receio de investir no exterior, o fato é que a compra de um imóvel nos EUA obedece a um trâmite muito parecido com o do Brasil. O comprador recebe uma escritura em seu nome e aqui no Brasil basta declarar e pronto.  Não há segredo. É claro que toda assessoria será fornecida por nós.

Para saber mais sobre compras de imóveis em Miami acesse o blog Casas em  Miami.

 

Criando conteúdo de qualidade do jeito que o Google gosta!

Para conseguir permanecer bem ranqueado nos mecanismos de busca, principalmente no Google, você deve criar conteúdos de qualidade para o seu site ou blog. Você pode até adotar inúmeras outras estratégias de SEO (Search Engine Optimization), porém se o seu blog não estiver recheado com artigos relevantes esqueça as demais estratégias e comece desde já a alimentá-lo com posts e artigos de qualidade.

E como criar artigos de qualidade do jeito que o Google gosta? Abaixo segue um artigo com 5 etapas que você deve seguir para criar seu artigo.

1 – Estudo das Palavras-chave para SEO

Toda a estratégia de criação de artigos está em trazer tráfego para o site. O tráfego é gerado quando o artigo contempla uma determinada palavra chave (termo de pesquisa) que é bastante procurada nos mecanismos de busca. Ex.: “Carnaval do Rio” é um termo de pesquisa bastante digitado nas caixas de pesquisa do Google. Os resultados que aparecem logo na primeira página são de sites que trabalharam essa palavra chave/termo de pesquisa em suas páginas.

Portanto, é fundamental saber escolher as palavras-chave corretas para o trabalho de criação de artigos. Como escolher?

São dois os fatores que você deve levar em consideração:

1 – Palavras chave que tenham bastante demanda (muita procura no Google)

2 – Palavras que tenham baixa concorrência

Demanda X Concorrência é o que deve ser analisado para escolher a palavra chave correta.

O Google tem uma ferramenta que permite analisar esses dois fatores e escolher a palavra. É a Ferramenta de palavra chave do Google Adwords.

2 – Pesquisa de conteúdo e estudo da concorrência em SEO

Uma vez escolhida a palavra chave então vamos criar o artigo.

Entretanto, não podemos criar o artigo da nossa cabeça. Temos que tentar descobrir o que o Google quer ler/saber sobre aquela palavra chave. Para saber o que o Google quer “escutar” não há nada mais prático do que digitar a própria palavra chave escolhida na caixa de pesquisa do Google e analisar os resultados.

Analise, entre os sites bem ranqueados para aquela palavra chave, o que eles escrevem. Dica: Vale pegar blogs que estão sendo bem indexados também. No menu de pesquisas do Google, onde tem “notícias”, “maps”, etc…tem “Mais”…clique e depois selecione “blogs”.

Em sua análise de artigos da concorrência atente para o que segue:

1 – Quais as informações principais constam nos artigos? (quais os principais tópicos)

2 – Possui muita ou pouca imagem?

3 – Possui vídeo?

4 – Quantas palavras tem esses artigos?

Analisando 10 artigos (despreze os sites que não são de conteúdo) você vai ter uma boa idéia sobre o que, no mínimo, deve comentar em seu artigo e como as informações devem estar organizadas.

Digo “no mínimo”, pois você não quer estar empatado com a concorrência. Coloque outras informações complementares, mais fotos, vídeos, etc. O objetivo é ter um conteúdo de qualidade melhor que o da concorrência.

Faça uma lista dos tópicos que você comentará em seu artigo.

3 – Criação do artigo

Agora que você possui os tópicos comece a redigir. Aqui tem início uma segunda etapa de pesquisas, muito importante, que não pode deixar de ser feita. Essa segunda pesquisa é mais detalhista, “micro”.

Exemplo: Vamos supor que você pesquisou “Carnaval do Rio” e encontrou os seguintes tópicos principais em sua análise da concorrência:

1 – Escolas de samba

2 – Sambódromo

3 – Preço dos ingressos

Vamos analisar o item 2 – “sambódromo”. Em sua pesquisa inicial, a palavra “sambódromo” apareceu, digamos, em 90% dos artigos. Ela é, portanto, um tópico que você não vai poder deixar de comentar em seu artigo.

Mas talvez, em todos os artigos da concorrência, o tópico “Sambódromo” foi relatado de forma superficial, sem detalhes.

Nestas situações, onde o tópico aparece sempre, e a concorrência trabalhou pouco ou de forma superficial, está uma oportunidade para você se diferenciar, fazendo uma segunda pesquisa “micro”  no Google sobre o Sambódromo do Rio de Janeiro e trazendo novas informações, de qualidade, para seus leitores.

Cuidados a serem considerados em SEO

1 – Nem sempre vale a pena investir nessas palavras superficiais que mencionamos. Se a concorrência toda não o fez, é por que talvez esse tópico não seja tão procurado no Google. Vale analisar a questão Demanda X Concorrência na Ferramenta de Palavras-chave do Google e ver até onde vale a pena detalhar o tópico no artigo.

2 – Um erro comum em SEO é detalhar demais um tópico, mais do que o próprio tema principal. Se a palavra chave que você está trabalhando é “Carnaval do Rio” e a palavra “Sambódromo” aparece mais que a principal em seu artigo então temos um problema. Nessas situações, o Google não vai entender qual palavra-chave você quer priorizar (“Carnaval do Rio” ou “Sambódromo”) e vai dividir a relevância do artigo pelas duas. Traduzindo: Nenhuma das duas ranqueará bem nas pesquisas do Google. Nessas situações crie um segundo artigo que fala sobre o Sambódromo. No primeiro artigo, onde o tema principal é “Carnaval do Rio”, comente rapidamente sobre o Sambódromo e coloque um link neste tópico para o segundo artigo que você criou (sobre o Sambódromo). Desta forma, você também estará dizendo para o Google que a palavra-chave “Sambódromo” está sendo priorizada no segundo artigo.

4 – Otimização do artigo para SEO

Uma vez redigido o artigo, agora é necessário otimizá-lo para fins de SEO. Aqui vou listar apenas os principais fatores de SEO relacionados à palavra-chave escolhido, porém não vou comentá-los detalhadamente. Farei isso em meu próximo artigo. Seguem:

  1. Título do artigo com a palavra chave;
  2. Densidade da palavra chave;
  3. Naturalidade do texto (cuidado em repetir de forma artificial as palavras);
  4. Títulos e sub-títulos (headings – são os próprios tópicos que você pesquisou – coloque a palavra chave nos headings);
  5. Qualidade das fotos e tamanho (efeito viral em mídias. Ex.: Pinterest);
  6. Direitos autorais (sempre mencionar a fonte – saber pesquisar a fonte);
  7. Fotos com a palavra chave no “alt”;
  8. Vídeos;
  9. Quantidade de palavras (mínimo de 800). Textos com conteúdo de qualidade geralmente são longos!

Se você não quer esperar pelo próximo artigo detalhando cada tópico acima, convido-o a ler alguns artigos já prontos que tenho em meu blog pessoal: http://carlosbarros.net.

5 – Revisão e Publicação

Tão importante quanto criar o artigo é revisá-lo. Infelizmente a maioria das pessoas não dá a devida importância para essa etapa. É certeza que você encontrará falhas e erros comuns. É só pesquisar pela internet e você encontrará muitos artigos, de blogs até famosos, com erros de português e/ou digitação (está aí mais uma oportunidade para você se diferenciar).

De nada adianta todo o trabalho de criação, horas pesquisando, horas escrevendo, coletando imagens e no final o artigo é publicado e esquecido com erros de digitação e erros de português….ou então com uma chamada feia, um parágrafo mal articulado.

Erros comuns:

1 – Erros de português/gramaticais;

2 – Palavras digitadas erradas (comum acontecer quando digitamos rápido);

3 – Parágrafos fora de ordem (muito comum….às vezes esquecemos de reorganizá-los);

4 – Parágrafos repetidos;

5 – IMPORTANTE: parágrafos copiados exatamente iguais aos da fonte (atenção aos direitos autorais). É comum esquecermos de alterar a redação da fonte para a nossa interpretação dos fatos. Se você quer copiar exatamente igual não deixe de mencionar a fonte.

Qualidade do artigo

Você precisa ler o artigo como se fosse um usuário/seguidor do blog. Para saber se um usuário gosta do seu artigo faça as seguintes perguntas para você mesmo:

 

  1. O conteúdo trata exatamente sobre o que o título do artigo divulga?
  2. Este artigo prendeu minha atenção até o final?
  3. Ele tirou minhas dúvidas ou trouxe informação que me complementou?
  4. Eu compartilharia esse artigo com um amigo ou no facebook/twitter/Google+?
  5. As fotos estão bonitas? Você salvaria esta foto em seu computador ou publicaria em algum mural? (Ex.: Pinterest)
  6. Esse vídeo é interessante?

Siga essas etapas e você vai conseguir criar um artigo de qualidade, do jeito que o Google gosta!! No próximo artigo vou trazer informações mais detalhadas sobre cada item de SEO que listei no tópico 4 acima.

Até la´!!

 

 

» Anteriores